We're welcoming back campers!

CIÊNCIA CRISTÃ – LIÇÃO BÍBLICA

[Regozijai-vos por estar sujeitos à divinas autoridades que existem!]

9 a 15 de março de 2020

A Substância

Estudo preparado por:
Craig L. Ghislin, C.S. Glen Ellyn, IL (Bartlett), EUA
craig.ghislincs@icloud.com / +1(630) 830-8683
__________________________________________________
Abreviações: Bíblia JFA Revista e Atualizada – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH;
Bíblia A Mensagem – MSG; Ciência Cristã – CC; Ciência e Saúde – CS ou C&S; Lição Bíblica – LB
__________________________________________________

Você se sente seguro e são? Você diria que está em terreno firme? Em que se baseia sua confiança? Você se baseia em genética e meio ambiente para ter boa saúde; em um bom emprego com fonte de suprimento; em uma boa vizinhança para protegê-lo do crime; na lealdade de um amigo ou alguém amado para que esteja com você em tempos difíceis?
Por mais confiáveis que essas e outras fontes de ajuda possam parecer, em verdade, estão sujeitas a variações. Na experiência humana a variação é inevitável. Até mesmo aquilo em você pensou confiar não dura para sempre, ou cai fora. Há pessoas que sãa otimistas e tentam ver o bem por todos os lugares, e há os que desconfiam de tudo e são céticos e pessimistas. Quer alguém seja mais um pessimista, ou otimista, ou algo intermediário, a sabedoria convencional diria que não há garantias na vida, e que provavelmente qualquer coisa pode acontecer. Por mais corajoso que alguém possa parecer, a incerteza dos acontecimentos alimenta um temor subjacente.
Há uma só proteção confiável. E essa é de Deus. A citação final desta Lição Sermão que nos chama a regozijar por estarmos sujeitos às ‘divinas autoridades que existem’ (CS31, p. 249). Assim sendo, podemos acreditar que chegará o tempo previsto por Isaías no Texto Áureo (Isa. 60:18), em que não mais se ouvirá de violência na terra, nem devastação ou destruição.
Conquanto Isaías estivesse falando especificamente de conflitos armados, também podemos a aplicar essa promessa a batalhas de outro quilate, mas igualmente ameaçadoras. Estou falando das batalhas que ocorrem em nossas lutas com a tentação e pecado, assim como as batalhas microscópicas que vemos no corpo quando combatemos a doença. Cada batalha entre o bem e o mal, a saúde a doença, a vida e a morte, são ataques ao nosso bem-estar e nossa unidade com Deus.
Quando você lê a Leitura Alternada (Salmos 145:3,15,16; Isa. 14:3-5,24,29: 53:13) o que você nota? Vê-se que toda a criação está olhada por Deus para o cumprimento de cada desejo. Existe a promessa de que, ao final, nossos temores, preocupações, ou algum tipo de escravidão serão removidos, e não seremos afligidos. Os que parecem ter domínio sobre nós serão deslocados. A terra estará em paz e em romper de cânticos. Deus promete que Sua palavra é irremovível, permanente e absoluta. Deus é capaz de transformar cada desolação em consolo eterno.
Agora, pense profundamente e pergunte-se: Para o que eu olho para ver meus desejos realizados? Que tipo de preocupações e temores desejo ser libertado? Em que áreas de minha vida parece que estou oprimido? Acredito haver um poder capaz de quebrar a opressão em minha vida? Será possível que eu chegue a um descanso total a ponto de sentir-me aliviado e calmo para romper em cântico?
Os pseudo poderes do mundo são muitos e pretendem ter a habilidade de conduzir nossas vidas e determinar nossa experiência a ponto de acreditarmos que nada mais se pode fazer. Como vocês já devem ter adivinhado, a Bíblia tem uma resposta pronta para nossos sentimentos de desespero, e uma correção para aqueles que pensam alcançar seu objetivo por conta própria.
Enquanto todas as soluções que o mundo oferece aos desafios são variáveis, a lei de Deus e Sua palavra são fixos. Sua ordem é a lei, e permanecerá para sempre. Nada e ninguém pode desfazer as ordens de Deus.
Acaso isso soa muito bom para ser real? Na leitura da Lição desta semana você encontrará várias ilustrações que ajudarão a orientar sua fé e compreensão em solo firme.

Seção 1: A substância é eterna.
De acordo com o Student’s ´Reference Dictionary, substância é o que existe por si, algo que não é imaginário, mas que realmente existe. A palavra substância vem do latim substantia—significando “ser ou essência”, e também de substant—que significa ‘estar firme’. A maioria das pessoas considera a matéria, ou aquilo que pode ser percebido pelos sentidos, como sendo substância, enquanto que na CC nos dirigimos mais à ideia de substância como essência, ou seja, a ideia e natureza espiritual de algo. As coisas materiais são mutáveis, a essência espiritual das coisas não é.
A maioria de nós concordaria que há muito poucas constantes na experiência humana. Acredita-se que o filósofo grego Heraclito tenha dito: “A única coisa constante são as mudanças”. O autor de Eclasiastes discordaria: “Sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe pode acrescentar e nada lhe tirar…” (B2, Ecles. 3:14). Deus é a origem de tudo o que é bom e eterno, inclusive as qualidades espirituais.
Conquanto seja verdadeiro qua as normas de comportamento humano mudam, as qualidades espirituais têm o potencial de permanecer constantes. Paulo nos fornece uma lista parcial que começa com Amor (B1, Gal. 5:22). Notem que aqui o termo ‘amor’ tem o sentido de verbo (amar). É algo que fazemos. O resto da lista nos dá meios de fazê-lo. Alegria, paz, longanimidade, gentileza, bondade, fé, mansidão e temperança, são todos meios de expressar e refletir amor. Por ser a natureza humana mais propensa a ser atendida do que servir, pode parecer um grande esforço viver essas qualidades consistentemente; mas na sua epístola aos Romanos, Paulo nos insta a sermos transformados de um pensamento de base material para um sólido terreno de um pensamento de base espiritual (B3, Rom. 12:2).
A Descobridora e Fundadora da Ciência Cristã, MBEddy, concorda francamente. Ela compreende que a substância é algo real e eterno: “… incapaz de manifestar desarmonia e sofrer deterioração” (CS1, p. 468). Na CC, a única substância verdadeira de algo é Deus (CS2, p. 508).
MBEddy viu o poder transformador do Espírito como fundamental para causar uma inevitávbel mudança de um pensamento de base material para uma visão de base metafísica de tudo. Essa visão encara Deus como a Causa de todo efeito (CS3, p. 268). A citação CS4 (p. 269), é minha favorita: “A metafísica explica que as coisas são pensamentos e substitui os objetos dos sentidos pelas ideias da Alma”. Ela segue com a explicação que as ideias do senso espiritual são tão reais como os objetos materiais parecem ser. Mas eis a parte importante—as ideias espirituais nunca mudam! Elas são “boas e eternas”.

Seção 2: Fé.
Como podem objetos espirituais ser considerados mais substanciais do que objetos materiais? A propósito, como podemos saber que os objetos espirituais existem?
Por uma razão, não iríamos imaginá-lo por meio de raciocínio humano. O raciocínio intelectual pode ser muito complicado. Está cheio de variáveis e contingências. É como construir uma casa sobre areia, como Jesus expõe no Sermão do Monte (Mat. 7:24-29). Se não é por meios intelectuais, como o compreendemos então? Por meio da fé—“a substância (certeza) de coisas que se esperam, a convicção (evidência) de fatos que não se vêem” (B4, Hebr, 11:1). O expositor bíblico William Burkitt (1650-1703) observa essa fé como uma ‘confiante e firme expectativa das boas coisas que Deus prometeu, dando às boas coisas pelas quais esperamos, uma substância real em nossas mentes e almas … A razão e natureza nunca iriam conhecê-los, se Deus não os tivesse revelado primeiramente.”
Essa fé é um exemplo de estar parado numa rocha firme, em vez de ficar escorregando e deslizando sobre areia fofa de uma miríade de contingências intelectuais.
Como nosso livro texto explica, a fé é o estado “no qual a evidência espiritual, que contradiz o testemunho do senso material, começa a aparecer” (CS5, p. 297). O testemunho material pode ser abalado, mas a compreensão espiritual, está fundada sobre a “rocha divina”. Quanto mais avançarmos na compreensão espiritual, tanto mais o chamado conhecimento material diminuirá, e por meio do senso espiritual aprenderemos a ver as coisas como ideias em vez de objetos.

Seção 3: A verdadeira substância é consistente.
Como observado anteriormente, a verdadeira substância é incapaz de discórdia e decadência. Isso é verdade para qualquer coisa material – seja um objeto ou um pensamento. As crenças materiais estão mudando constantemente, e os recursos materiais estão sujeitos a decadência e discórdia. Tiago nos diz que todo presente de Deus, no entanto, não tem “variação ou sombra de mudança” (B5, Tiago 1:17). O ministro dos dias modernos, Mark Dunagan, explica a alusão de James como "variações sazonais, eclipses, fases da lua, céus nublados e as sombras inconstantes vistas de hora em hora no relógio de sol … [enquanto] o caráter e a natureza de Deus são imutáveis".
Vi um comercial outro dia avisando que a maior parte da água que bebemos – em garrafas ou torneiras – não é tão saudável quanto pensamos. A mensagem era clara: não podíamos confiar na água, independentemente da fonte. Além de ser um argumento de vendas para um produto de purificação de água, coloca sementes de medo de que, mesmo quando tentamos fazer algo saudável bebendo água, podemos sem querer estar prejudicando a nós mesmos.
Os filhos de Israel precisavam de água em sua jornada de quarenta anos pelo deserto. Na ocasião, a água saiu de uma rocha para sustentá-los. Numa certa feita, depois de procurarem por três dias, encontraram um poço no qual a água não era potável (B6, Êxodo 15:22-25). Depois de orar por orientação, Moisés foi levado a uma árvore a qual "lançou-a … nas águas, e as águas se tornaram doces".
Isso tem aplicação prática e simbólica para nós hoje. Podemos saber que nossa saúde, recursos e sobrevivência são assegurados pelo amor de Deus por nós. O Espírito é a única substância verdadeira e o Espírito é a nossa vida (CS7, p. 124). Além disso, seja falando de recursos literais ou metaforicamente sobre ideias, na Ciência, Deus é o Bem e Deus é Tudo, portanto, tudo o que Deus faz é bom. Como uma fonte não pode enviar águas doces e amargas, Deus também não pode permitir o bem e o mal (CS8, p. 287). Isso significa que boas ideias são boas por completo. Não há nada de ruim ou inconsistente nos dons de Deus.
Mary Baker Eddy é ótima em fazer seu ponto de vista através de perguntas. Ao examinarmos a citação CS9 (p. 278), como alguém poderia considerar o “que é mutável, e é mortal” como substância quando comparado ao “imutável e imortal”? Bem, alguém poderia, se ignorasse sobre Deus e as leis de Deus. Nossa líder diz que é a ignorância que produz discórdia, e que “compreendê-Lo [Deus] corretamente restaura a harmonia" (CS10, p. 390).
Nosso livro explica que, na Ciência, a crença de que haja mais de uma lei em operação é essencial para o problema. Se acreditarmos que haja mais de um Deus ou algo diferente de Deus, teremos problemas. As leis de Deus são consistentes e derradeiras. Elas não têm nenhum elemento do mal nelas. O pensamento materialista acredita em muitas pessoas e cada uma delas com sua própria opinião. Isso também leva a problemas (CS11, p. 273). Assim como Moisés purificou as águas, podemos pôr um fim à amargura nas relações humanas e em todas as áreas da vida. Nosso antídoto para a amargura é a Verdade e o Amor. Quando exercemos amor e mantemos a verdade por meio da ajuda de Deus, a amargura e a desarmonia são neutralizadas (CS12, p. 157).

Seção 4: Senhor, ajude-me!
Agora, estamos considerando como é maravilhoso que Deus, sendo Tudo e bom, não tenha nada a ver com o mal, nem Ele o permite. Mas sabemos que, na experiência humana, às vezes nos deparamos com situações que fazem o possível para nos derrubar de nossa base, nos abalando profundamente. Surgem as perguntas milenares: “Onde está Deus nisso tudo? Como Deus pôde permitir isso?”
O salmista certamente sabia que há momentos em que o horror de uma situação parece esmagador. Agora, existem aqueles que, inadvertidamente, invalidam esse terror declarando que Deus “não tem nada a ver com isso” e que, no Espírito, estamos sempre seguros. Embora essa declaração seja verdadeira em um sentido espiritual absoluto, chegar à plena realização desse estado espiritual enquanto estamos no meio do horror material parece uma tarefa impossível. Também devemos lembrar que Cristo Jesus e nossa Líder, Mary Baker Eddy, nos instruem a "saudar o pensamento" daqueles a quem pretendemos ajudar, em vez de invalidar friamente seus sentimentos.
Embora seja verdade que, em circunstâncias terríveis, a oração salvou muitos e evitou danos e ferimentos, também há momentos em que, para muitas pessoas, a ajuda não parece vir. O salmista conhecia muito bem o estresse da violência contra ele. Ele não pediu desculpas por clamar a Deus por ajuda. Ele reconhece que seu medo e tremor são esmagadores, e reza para que ele possa ter asas e voar para longe em segurança (B7, Salmos 55:1,5,6). Joseph Benson (1748-1821) escreve: “O salmista, que se via em perigo extremo, e sabia que sua própria vida dependia de sua fuga imediata, deseja as asas velozes de uma pomba, que, com a máxima velocidade, ele poderia voar para longe da destruição que o ameaçou". Você já esteve em uma posição em que o horror tomou conta de você?
A história de Amnon e Tamar é, sem rodeios, um relato de brutal agressão sexual (B8, 2Samuel 13:1,6,10-12,14,15,17,19). Essa história antiga poderia ter sido tirada das manchetes de hoje. Observe aqui que o ataque neste caso não é impedido. Amnon confunde amor com luxúria e planeja contaminar sua irmã. Depois, sua luxúria se transforma em ódio, e ele a expulsa. Naturalmente, ela está arrasada. Caso alguém não esteja familiarizado com a história, embora não esteja na lição, o pecado de Amnon leva à sua própria morte violenta. Mas isso não ajuda Tamar.
Quando algo tão terrivelmente injusto e sujo está sobre nós, o que podemos fazer senão "clamar ao Deus Altíssimo?" (B9, Salmos 57:2, 3).
Outra história de um ataque cruel à inocência está em Apocalipse (B10, Apocalipse 12:1,3,9,14-16), onde o grande dragão vermelho espera para devorar o filho da mulher vestida com o sol. Nesse caso, o dragão é derrubado e a mulher recebe asas de águias para que ela possa voar em segurança. O dragão continua o ataque lançando uma inundação para levá-la embora. Mas a terra ajuda a mulher e engole o dilúvio.
Aqui temos duas histórias com resultados bastante diferentes. A história em Apocalipse é alegórica, mas o significado é claro.
Mary Baker Eddy não tentou contornar esses desafios extremamente difíceis. Na história de Apocalipse, ela nos diz que mesmo as circunstâncias mais angustiantes podem ser como "um anjo que acolhes sem o saberes" (CS13, p. 574). Ela garante que a ideia de Cristo não pode ser silenciada e que podemos esperar ajuda em todos os momentos de angústia (CS14, p. 570). A crença humana que afirma ser separada de Deus é uma ficção. Se acreditamos nessa ficção, o oposto do homem de Deus e da verdadeira bondade parece ser a norma, e o mal parece continuar sem controle (CS15, p. 170). No entanto, o mal não pode prosperar se Deus é real. As ações sujas de luxúria e hipocrisia acabam sendo mortas pela inocência da Verdade e do Amor (CS16, p. 567).
Ao ler esta seção, não sinta que o mal ficará impune ou que não se preocupe com a injustiça. A Verdade destrói o erro e, embora você nunca possa ver o resultado final contra o erro, lembre-se de que a fundadora da Ciência Cristã escreve por experiência própria: “… Deus recompensará isso que está errado e punirá, com mais severidade do que você, aquele que se esforçou para ferir você” (Mis. 12:5–8). Ela continua dizendo: "Nunca devolva o mal pelo mal …".
Na Ciência Cristã, dominamos todas as propensões do mal, até as nossas. Vencemos esses males com bondade (CS17, p. 405). Podemos ter certeza de que o pecado acabará se destruindo. “O ódio humano não tem mandato legítimo nem reino. O Amor está entronizado” (CS18, p. 454). Isso significa que o erro é destronado! O livro Ciência e Saúde nos assegura que o Amor vencerá, e o erro " se dissipará em uma quimicalização moral" (CS19, p. 96).
Uma vez eu estava neutralizando o ácido sulfúrico de uma bateria adicionando bicarbonato de sódio. A reação resultante foi muito maior do que esperava. Assim como o mal é descoberto, e derramamos Verdade e Amor, pode haver um tempo de perturbação, mas construído sobre o fundamento da verdadeira substância, emergiremos o vencedor.

Seção 5: Triunfo sobre a discórdia.
Essas erupções e movimentos violentos às vezes parecem se manifestar como doenças. No evangelho de Lucas tem um conto de um garoto que sofria de violentas convulsões. Os discípulos de Jesus foram derrotados. Eles foram influenciados pela cena diante de seus olhos e não foram capazes de curar o garoto. Jesus expressou seu desapontamento com a falta de fé dos discípulos e pediu que levassem o garoto até ele. Enquanto estava a caminho, o garoto teve mais uma convulsão. Jesus repreendeu o espírito sujo e curou o garoto (B12, Lucas 9:38-43).
Jesus não se deixou afetar pela algazarra do mal. Ele enviou seus discípulos para se provarem como sanadores. Sem dúvida eles aprenderam com o exemplo do mestre, e voltaram com alegria enquanto contavam suas vitórias a ele (B13, Lucas 10:1,17-20). Jesus disse ter visto Santanás “como um relâmpago” caindo dos céus. O teólogo Albert Barnes (1798-1870) parafraseou as palavras de Jesus: “Eu vi a seu comando os diabos imediatamente se retirando, tão rápido quanto um relâmpago. Eu dei-vos esse poder, eu vi-o sendo colocado, e dou-os agora, em adição a isso, o poder de pisar em serpentes…”. Após esse comando, o Mestre abençoou-os dizendo a eles que seus “nomes estavam escritos nos céus”.
Na Ciência Cristã, seguimos aquilo que Jesus ensinou, sabendo que a verdadeira vida, substância, e inteligência são espirituais, e portanto, todos os erros são destruídos (CS20, p. 43). A mente mortal finge governar o corpo, mas isso nada mais é do que um mentiroso falando consigo mesmo e acreditando em suas próprias mentiras. O corpo não pode falar por si mesmo, e não temos nenhuma razão para acreditá-lo (CS21, p. 399).
Na Ciência, o bem nunca causa o mal ou cria uma mente suscetível a crer. Toda atividade destrutiva é uma mentira (CS22, p. 93). Seguindo a analogia do relâmpago caindo dos céus, Mary Baker Eddy nos relembra de que a eletricidade não tem inteligência, e nem transmite inteligência (CS23, p. 293). Somente a Mente divina transmite pensamento, e o faz assim sem passar por uma crença material em nervos. O Cristo fala à consciência humana trazendo mensagens divinas e “dissipando ilusões dos sentidos” (CS24, p. 232). A citação CS25 (p. 355) é uma boa maneira de encerrar: “Que não seja mais ouvida a desarmonia, independentemenete de seu nome e natureza, e que o senso harmonioso e verdadeiro da Vida e do existir tome posse da consciência humana”.
Seção 6: Não seja enganado, mas esteja no comando.
Jesus deu a seus discípulos poder e autoridade sobre o inimigo com o conhecimento de que nada os poderia prejudicar. Podemos dizer que os discípulos tinham autorização divina. João, um dos mais confiados discípulos de Jesus, direcionou pessoas de todas as gerações a “não acreditar em qualquer espírito” (B14, 1 João4:1). John Calvin (1509-1564) explica seu ponto de vista de que conforme usada por São João, a palavra “espírito” é quase um substituto derrogatório para sua verdadeira definição. Nesse caso “espírito” significa:
… aquele que se vangloria por ter uma virtude do Espírito para fazer seu trabalho como um profeta. Pois não era permitido a ninguém falar em seu próprio nome, nem dar crédito a palestrantes, mas enquanto eles forem considerados órgãos do Espírito Santo, para que profetas possam ter mais autoridade, Deus honrou-os com seu nome, como se Ele tivesse separado eles da humanidade em geral.
Isto dá sentido ao fato de que Paulo se sentiu aflito com os protestos da donzela (B16, Atos 16:16-18). Ela não estava falando sob a autoridade do Espírito Santo, mas sob a influência do “pai das mentiras”. William Burkitt observa: “o pai das mentiras às vezes fala a verdade, apesar de que nunca pela verdade, mas para sua própria vantagem: aqui o que o diabo disse era verdade, mas para propósitos diabólicos…”.
O falso espírito se rendeu porque era um impostor sem um fundamento – sem substância. As vezes também encontramos impostores, que parecem estar dizendo a verdade em todo respeito, mas devemos “testá-los” todos para determinar sua veracidade. “Testar” os espíritos não significa acreditar neles ou favorecê-los, mas discernir a verdade sobre eles. Você se lembra de alguma ocasião em que foi enganado por um impostor?
O livro Ciência e Saúde nos diz que: “A Verdade é o remédio de Deus para o erro de toda espécie” (CS26, p.142). A Ciência destrói somente aquilo que não é verdadeiro, portanto nunca precisamos temer fazer um teste. Nossa atenção espiritual nos equipa para discernir a diferença entre um impostor, e um que é verdadeiro. Não precisamos nos preocupar por muito tempo que o erro vá nos enganar, pois o erro não pode se esquivar da lei de Deus (CS27, p. 95).
A citação CS28 (p. 403) nos dá uma palavra de encorajamento: “dominas a situação se compreendes que a existência mortal é um estado de auto-enganação e não a verdade do ser”. Isso é significativo porque o erro é incapaz de nos enganar. Ele só pode enganar a si mesmo. A Verdade varre as mentiras como teias de aranha. Pense sobre isso. Você pode se lembrar de uma situação onde algo parceria ser tão real por alguns instantes, e quando a verdade foi conhecida, aquilo desapereceu quase que instantaneamente?
As crenças humanas começam a desaparecer quando mesmo a menor partícula da história for vista como falsa. Tome seu tempo para ler a citação CS29 (p. 252). É uma perfeita descrição da diferença entre uma mentira insubstancial e a substância da verdade.

Seção 7: Somos sujeitos somente à Deus.
Então, perguntamos novamente: Você se sente seguro? Sua confiança está em Deus? Ou está nos homens, no mundo e no pensamento materialista? As Escrituras frisam que o Senhor é o único poder (B17, 1Crôn. 28:11,1,14). A única maneira de estar em solo firme, e honestamente declarar com Oséias que encontramos a verdadeira substância é reconhecer Deus como o único poder e realidade.
Nosso livro texto reforça nossa convicção de que o Espírito é a única substância, invisível ainda que indivisível, e não uma multitude de teorias vacilantes, mas uma sólida e eterna rocha da Verdade (CS30, p. 335). A citação final na Lição dessa semana (CS31, p. 249) tem o tom de grito de batalha de um guerreiro da liberdade. Nos chama a ficarmos no solo firme da verdadeira substância reconhecendo nenhum outro poder como capaz de nos prejudicar. Não estamos com medo; não estamos impressionados; não somos enganados. Nos “regozijemo-nos por estarmos sujeitos às divinas autoridades que existem. Essa é a verdadeira Ciência do existir”.

______________

A equipe de tradução para o português é composta por Ana Steffler, Ovídio Trentini e William Trentini. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali você encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, podendo baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.
Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.
Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será publicado na 2a. feira no link http://www.cedarscamps.org/metaphysical.

American Camp Association

MAIN OFFICE
(November - May)
410 Sovereign Court #8
Ballwin, MO 63011
(636) 394-6162

CAMP OFFICE
(Memorial Day Weekend - October)
19772 Sugar Dr.
Lebanon, MO 65536
(417) 532-6699

Welcome back, campers! Spaces are still available.

CedarS Camps

Back
to top