Thanks for a wonderful summer!

CIÊNCIA CRISTÃ – LIÇÃO BÍBLICA

[Enfrente e supere todo e qualquer suposto poder que se opõe a Deus]

Denunciadas a necromancia antiga e a moderna, isto é, o mesmerismo e o hipnotismo”


24 a 30 de maio de 2021 

Estudo preparado por:

David L. Price, C.S.  —  Denver, CO, EUA 

dlawrenceprice@gmail.com — +1(720)308-9500

__________________________________________________

Abreviações: Bíblia JFA Revista e Atualizada – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH; Bíblia A Mensagem – MSG; Ciência e Saúde – CS ou C&S; Lição Bíblica – LB

__________________________________________________

Introdução

Na última citação da Lição Bíblica dessa semana nos é dado uma instrução: “Algum dia, aqui ou no além, todo mortal terá de lutar contra a crença mortal em um poder oposto a Deus, e vencê-la” (CS32, p. 569). Essa lição ajuda a identificar o poder real e um pretenso poder; mas como um caixa de banco que pode distinguir moedas falsas só por seguramente conhecer bem a aparência de uma moeda real, nós podemos reconhecer falsos poderes apenas por seguramente conhecermos e sentirmos qual é o poder real. Então, enquanto você lê a lição dessa semana, eu encorajo cada um de vocês a realmente se apegar às ideias espirituais que seguramente afirmam que Deus é Todo-poderoso e que está no controle.

Eu realmente gosto dessa lição como um guia para iniciar o trabalho de proteção diária. Eu me recordo do chamamento de Mary Baker Eddy:

“Vigilância quanto ao dever. ART 6 Será dever de todo membro desta igreja defender-se diariamente de sugestões mentais agressivas, e estar vigilante para não esquecer nem negligenciar seu dever para com Deus, para com sua Líder e para com a humanidade” (Manual da Igreja, p. 42:4-9)

Sinta-se à vontade para me mandar qualquer inspiração que você receber depois de fazer esse trabalho.

Texto Áureo

Como muitos de vocês sabem, ao final de cada culto dominical nas igrejas ou sociedades da Ciência Cristã, o “Primeiro Leitor” escolhe uma benção, o que significa conceder uma benção como conclusão do culto. Geralmente, para os nossos cultos, a regra áurea é achar uma benção ou uma promessa do bem na Bíblia, e deve conter de um a dois versículos.

Então, ao final de um culto dominical em particular no qual eu era o Primeiro Leitor, coloquei meu dedo sobre uma nota autoadesiva que marcava a página onde a benção daquele culto deveria ser encontrada. Eu, gentilmente, levantei o papel adesivo e ele saiu da página, não me deixando nenhuma pista de onde estava a passagem a ser lida. Estou bem certo, que naquele momento, uma gota de suor escorreu pela minha testa. Então eu disse bem alto: “Somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou”, o qual é um versículo que aparece como parte do Texto Áureo dessa semana e veio a mim como uma mensagem angelical exatamente no momento certo naquela manhã. Ufa!

Em vez de encerrar o culto dominical dessa semana, esse versículo inicia nossa lição, e que forma maravilhosa de começar. É uma garantia para cada um de nós, que diz que independentemente das mentiras contadas, dos ataques impessoais e pessoais, na verdade, não há nem mesmo um inimigo para enfrentar quando você tem Deus ao seu lado.

Finalmente, pense se você fosse para uma batalha, que é o que fazemos todos os dias, quem não gostaria de ser reconhecido como “mais que vencedor” ou aquele que é “completamente vitorioso”? (NTLH).

Leitura Alternada

Eu quero permanecer um pouco mais de tempo no Texto Áureo porque acho que é uma ótima maneira de iniciar a defesa diária.

Bem, conhecendo o Texto Áureo, o que devemos fazer para sermos “mais que vencedores”? Isso não parece altamente bem improvável quando parece haver tantos ataques: alguém deixando de ser seu amigo justamente no final do período escolar, ou quando as coisas estão difíceis em casa, talvez dificuldades com um trabalho ou um desafio com uma pessoa difícil? (Título marginal – Seção 5 é uma boa dica para o último item). Bem, essas “armadilhas do diabo” são realmente esquemas, estratégias e truques para fazer você pensar que você é uma vítima e, ainda pior, que Deus não está no controle. Deus está eternamente no controle, supremamente aliás, e essa supremacia da Verdade não compartilha seu poder ou domínio com o oposto da Verdade.

O trecho em Efésios 6, inicia com a redefinição do que é realmente um inimigo, e não são ninjas ou ladrões. Inimigos são forças espirituais do mal que vivem nas alturas, isto é, os governos, as autoridades e os poderes que dominam completamente este mundo de escuridão (Efésios 6:12, NTLH).

Bem, até meu filho de 6 anos, com a ‘lightsaber’ (espada de luz) na mão, poderia dizer como combater inimigos como ladrões e ninjas, mas como nos armamos para combater um inimigo invisível?

Esse é o conselho de Paulo à igreja em Éfeso. Primeiro tenha em mente que não estamos falando de força pessoal; isso é sobre a força, e o poder divinos e a eterna presença e cuidado de Deus.

A seguir, Deus nos dá a armadura que devemos usar, e não são toneladas de armaduras como Golias usou. Aqui está uma lista de coisas que estão na Leitura Alternada (Efésios 6:10-17) que você deveria usar (e o melhor de tudo, não precisa fazer pagamentos adiantados, na verdade você já os possui!):

Primeiro, vista a Verdade, principalmente a Verdade sobre você como imagem e semelhança de Deus. A mentira nunca permanece diante ao que é verdadeiro e honesto.

Certifique-se de fortalecer com justiça aquele espaço ao redor do seu coração, vendo e fazendo a bondade inspirada por Deus. Isso inclui ver os outros como Deus os vê, mesmo se parecer que eles não estejam fazendo o que é certo. (Lembre-se de que não estamos combatendo pessoas; estamos combatendo um falso poder que tenta usar e abusar de pessoas através de sugestão e trapaça.)

Em seguida, vista aquela paz que você deseja, para ajudar os outros a largarem suas armas. Esse é o evangelho da paz. Eu amei a analogia de usar sapatos de paz (“Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz”) e faz lembrar aquela passagem de Isaías: “Que formosos são sobre os montes os pés do que anuncia as boas-novas, que faz ouvir a paz, que anuncia coisas boas, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina!” (Isaías 52:7, ARA). Essa é a maneira Cristã.  É se preparando passo a passo e desejando anunciar as boas-novas, o reino de Deus aqui e agora.

Ponha o Escudo da fé – e você pode fazer isso se mantendo confiante e firme sabendo que o ato de se volver para Deus sempre te mantém protegido e lhe dá as respostas que você precisa.

Eu adoro colocar o capacete da salvação. Algumas vezes estamos tão centrados em nossos pensamentos, pensando demais nas coisas, nos culpando, ou nos sentindo culpados por coisas que deixamos de fazer. O capacete da salvação nos lembra de voltar os pensamentos para Deus, porque Ele tem a misericórdia e o perdão que constituem a salvação.

Finalmente, você precisa ter uma arma, uma verdadeira espada (bem, não uma espada verdadeiramente, que teria sido a favorita do meu filho. Minha filha diria: “Não uma ‘lightsaber’ (aquela espada de luz usada em Stars Wars)? Então é chato”. Você deve se armar com a espada do Espírito. Ela é tão poderosa porque é a espada de Deus. Com essa espada você fica firme no que você sabe que é verdadeiro, você até pode dizer isso em voz alta. Você pode começar reconhecendo e sentindo o quanto Deus Ama cada um e todos vocês.

Seção 1. Deus é supremo e todo-poderoso; o mal qualquer que seja o seu nome, inclusive o de magnetismo animal, não prevalece contra a Verdade.

A essência da Seção 1 consiste em confiar em Deus, o todo-poderoso, onipotente. Não importa qual o inimigo que tenha pego em armas contra você, ele não prevalecerá. A última citação da Bíblia desta seção comprova esse fato, “… não há autoridade que não proceda de Deus…” (B5, Romanos 13:1).

É certo que o mundo material está interessado em que você acredite que existam outros poderes que possam prejudicá-lo, e até mesmo a história da humanidade é capaz de convencê-lo disso. O primeiro passo, a dar de imediato, é avaliar qual o problema que parece estar se apresentando e combatê-lo com as verdades da lição desta semana. Avalie seriamente o que a primeira citação (B1, 1Crôn. 29:11) está lhe assegurando. Que só em Deus encontramos a vitória e o poder. Volte-se para Deus e confie.    

Essa ideia de “afastar as sentenças” contida na passagem de Sofonias (B2, Sofonias 3:14,15) me lembra da época em que acabara de me formar em direito. Realmente, eu era bem egoísta e pensava muito em me divertir, por outro lado, estava sendo confrontado com um chefe difícil, crítico e irascível em meu emprego como advogado. É interessante que, devido ao meu procedimento egoísta, eu pensava merecer esse tratamento. À medida que compreendia mais e mais os ensinamentos da Ciência Cristã, através do meu estudo em espírito de oração, comecei a perceber a seguinte mensagem: você é amado e Deus te perdoa. Por fim, Deus me mostrou um caminho para sair dessa situação e encontrar um emprego melhor. O mais importante, no entanto, é que passei a conhecer melhor a Deus. Estava se cumprindo a promessa contida na citação acima. O “julgar” e o “punir” de acordo com a versão Good News da Bíblia, foram eliminados e meu emprego (“inimigo”) foi afastado ao conseguir outro emprego, muito melhor [caminho].

Quero apenas lembrar, que o Deus do qual estou falando, é o Amor universal, portanto, cada um dos filhos de Deus tem direito às mesmas bênçãos, inclusive você.

A citação B3 (Isaías 54:17) menciona o termo “servos” e trouxe-me à lembrança um amigo meu. Um de meus amigos replicou à sua irmã, que havia dito que não queria ser serva de ninguém, “Quem se negaria a ser ser servo do Amor?”. Por isso, companheiros-servos, que bênção saber que você está a salvo ao servir ao Amor; você está salvo. 

Prosseguindo, gostaria de comentar que muito apreciei o sentido prático da tradução contida na New International Version da seguinte passagem de Naum: “O SENHOR é bom, ele é um refúgio em tempos difíceis. Ele cuida daqueles que nele confiam. Qualquer que seja a trama contra o SENHOR ele a fará cessar; não haverá outro tormento” (B4, Naum 1:7,9).

Estas passagens da Bíblia realmente expõem a verdade sobre Deus. A primeira citação de Ciência e Saúde reforça a última frase da Bíblia, “Não existe poder a não ser o de Deus. A onipotência tem todo o poder…”  e em seguida Mary Baker Eddy nos mostra qual é a nossa responsabilidade, dizendo que “reconhecer qualquer outro poder é desonrar a Deus (CS1, p. 228).

Então, qual é esse falso poder? Em termos bem simples significa o mal. E qual é o fundamento em que se baseia o mal? Bem, é a mentira de que o mal tenha algum poder, talvez um poder igual a Deus. Creio que todos nós podemos ser levados a acreditar nessa mentira – quando você repara no que está acontecendo no mundo, você percebe acontecimentos tais como a guerra no Oriente Médio, as divisões na área política, a pandemia mundial. Trata-se de poderes, certo? Fica difícil permanecer calmo e não se sentir acuado. Mary Baker Eddy é uma grande observadora da tendência do pensamento humano em aceitar a existência de um poder oposto a Deus, quando diz: “Se você se espanta ante as vigorosas alegações do mal, seria melhor você se espantar ante o bem que Deus está fazendo, pois é isso o que realmente está acontecendo” (CS3, p. 130).     

Uma cura que ocorreu em nossa família há alguns anos, remete a essa questão. Nossa filha pequena caiu e bateu com a cabeça na quina de um muro de sustentação. A evidência do ponto de vista material, era de que se tratava de um ferimento na cabeça, e que, no mínimo, ela teria de levar alguns pontos. Naqueles primeiros momentos, nós, como família, decidimos permanecer firmes na consciência da presença sanadora de Deus e aguardar a evidência espiritual. Durante nosso trabalho em espírito de oração, sentimos paz, Amor tangível e a presença do Cristo. A cura ocorreu no entardecer, sem que houvesse necessidade da menina levar pontos nem de se aplicar alguma bandagem. Assistimos o culto de quarta-feira com todos os filhos. Fiquei surpreso com o contínuo cuidado e o controle harmoniosos de Deus. Paremos um instante, e fiquemos surpresos com a bondade de Deus.

Gostaria de compartilhar apenas uma breve ideia de como se poderia dar um tratamento metafísico. Empregue as citações CS4 e CS5 (p. 71 e p. 103) para resolver o assunto que você esteja tratando. Repare onde, nas citações acima, aparece a palavra “o mal” e troque-a pelo assunto que você está tratando. Não considere esta minha ideia como uma fórmula para o trabalho metafísico, pois todos sabemos que não existem fórmulas nessa área. Em vez disso, procure compreender a importância dessas declarações. Empregue o senso espiritual e você perceberá que o bem é verdadeiro. Diante da Verdade, o mal não permanece.

Seção 2. Quando você se prepara de antemão, cuida de seu pensamento e coloca toda a sua fé em Deus, o adversário deixa de existir. 

O adversário (CS6, p. 580), é outro nome para o diabo, ou melhor, aquele que se “opõe, nega, contesta” o poder de Deus. Trata-se realmente da “mente mortal,” isto é, da crença de que os cinco sentidos físicos sejam capazes de nos informar sobre o que é verdadeiro e real acerca de nós e do mundo. 

Mas como você se protege desse adversário? Bem, você pode começar sendo humilde, isto é, cedendo ao cuidado sempre presente de Deus. Em seguida, você talvez queira avaliar suas intenções, se estão direcionadas para satisfazer seus anseios materiais ou se o encaminham para Deus.

Comecemos reconhecendo a Verdade de que existe apenas uma Mente e sua ideia, a fim de exterminar o erro (CS11, p. 469). Eis alguns meios de manter o pensamento alinhado:

  1. Humilhai-vos! (B6, 1 Pedro 5). Veja, você está seguro. Deus é todo-poderoso, está cuidando de você e o está protegendo.   
  2. “Seja sóbrio e vigilante” o que significa: não fique inerte. “Esteja alerta!” (B6, 1Pedro 5:6-8, New International Version).  
  3. Tende em vós a mesma Mente que havia também em Cristo Jesus (Filip. 2:5; CS, p. ix:16; CS, p. 497:24). É uma boa ideia, mas como colocá-la em prática? Podemos começar observando como Cristo Jesus agia, seguir as instruções e fazer o mesmo. Aprecio, especificamente, as bem-aventuranças (Mateus 5:3-12), do sermão do monte, que incluem mansidão, misericórdia, pureza, reconhecendo que mesmo que você expresse o Espírito apenas parcialmente, mesmo assim você entrará no reino dos céus, ao realmente expressar bondade divina, sendo um pacificador e assim por diante. Quero deixar claro, que essas qualidades expressas por Jesus são parte natural e normal de todos os filhos de Deus.                                                                 

Por que investir a maior parte de nosso tempo pensando na Mente divina e expressando essa Mente? Porque essa afirmação consciente que, de certo modo, significa despir-se da vestimenta esfarrapada de “fé na matéria,” é a melhor maneira de protegê-lo de tudo aquilo que é contrário ou oposto à Verdade. Ela o protege do adversário (CS10, p. 234 e CS11, p. 469). 

E por fim, lembro-me da declaração de Mary Baker Eddy acerca do poder da Mente: “Tens de utilizar o poder moral da Mente a fim de andar sobre as ondas do erro e sustentar tuas reivindicações mediante a demonstração” (CS, p. 455:8-10).

Seção 3. Como lidar com a má prática mental específica através de Deus e do amor ativo de Deus.

Esta seção aborda uma forma específica de mal: a má prática mental. Aqui temos o rei de Moabe, Balaque, que, vendo os israelitas e como aquelas pessoas eram fortes, fica com medo de que eles vão lhe derrubar seu reino e usar os recursos de seu país. Ele decide atacar mentalmente os filhos de Israel convencendo Balaão, um profeta que supostamente não creia nos mesmos deuses, a destruir os israelitas, amaldiçoando-os. A parte a seguir da jornada de Balaão não está na lição (Números 22:2,5,6), mas através da história, ele encontra um anjo que aparece a seu burro, e seu animal não vai mais longe. Isso o deixa tão furioso que Balaão começa a bater no animal. Só então percebe que seu burro é mais receptivo do que ele. Assim entende e ouve a mensagem do anjo e se recusa a seguir o plano do rei Balaque. “Como posso amaldiçoar a quem Deus não amaldiçoou? Como posso denunciar a quem o SENHOR não denunciou?” (B12, Números 23:5,8,11,12,20). Assim, os israelitas foram salvos da má prática mental por meio de Deus.

Quando você parece estar sob ataque, há muitas maneiras de volver-se a Deus em oração. Uma forma de oração é conhecida pela súplica ou pedido de ajuda divina, conforme compartilhado na citação B10 (Salmo 64:1-3,10). Em certo sentido, este tipo de oração permite que você decida o que pode estar com medo, ou o que você pensa que tem poder para competir com o poder de Deus.

Aqui está uma visão útil do adversário que se propõe a direcionar o pensamento de má prática quando é especificamente direcionado a você: “Toda prática mental errônea provém da ignorância ou da maldade premeditada [mal-intencionada e planejada]. É a ação perniciosa de uma mente mortal a controlar outra por motivos errados e é exercida com propósitos ou equivocados ou malignos” (CS15, p. 451).

Em termos mais simples, para se defender contra a má prática mental, tudo o que precisa fazer é permanecer na certeza da supremacia do Espírito, confiar no cuidado permanente de Deus. Uma maneira de ter certeza de se proteger é ter um “reto coração” (B10, Sal. 84:10), reconhecendo que todos, mesmo aqueles que parecem atirar “flechas mentais”, são filhos de Deus. Ao personificar a má prática mental, ou seja, ao ver a pessoa que parece estar atacando como alguém que foi enganado ou usado pelo mal, você é capaz de concentrar seu trabalho contra o mal, e não contra uma pessoa. E, dessa forma, você mesmo não se torna culpado de má prática mental, mas, ao invez disso, está amando o próximo como a si mesmo. Este é o sentimento que obtemos da citação CS14 (p. 205).

Recentemente, tive a oportunidade de realmente perceber Deus como Amor e expressá-Lo externamente diante do ódio e da resistência. Recebi a tarefa de ler um livro que havia sido escrito especificamente contra a Ciência Cristã. Antes de fazer qualquer trabalho, comecei com uma oração. Realmente sabia que Deus era supremo, mas estava preocupado que a frustração e a raiva retirassem o melhor de mim. Em meu trabalho de oração uma mensagem angélical veio a mim: “Eu amo este autor, e isso nunca vai mudar”. Não cabia a mim, de alguma forma, fabricar um amor humano por este autor; Deus nunca deixou de amar, e como eu era uma transparência para o Amor, não pude deixar de amar esse indivíduo. Isso, com certeza, de repente acabou com qualquer sentimento pessoal de frustração e raiva. Com esta sensação da presença e do cuidado de Deus, não senti os efeitos indesejáveis que poderiam ter acontecido com aquela leitura. A citação CS17 (p. 571) nos lembra de nos envolvermos naquele senso de Amor que protege completamente como a armadura citada na Leitura Alternada (Ef. 6:10-17). Outra forma de fazer isso é apenas sentir o Amor que te envolve e eternamente te envolveu, então nenhum ódio pode te machucar ou mesmo “chegar até você”.

Seção 4. Impersonalizando a doença e enfermidade para eliminar o mal.

Adorei a cura descrita nesta seção (B14, Mat. 17:14-18). Em primeiro lugar, vale a pena mencionar que algumas traduções não concordam sobre se a aflição do filho era um transtorno de saúde mental ou uma convulsão / epilepsia. Lembro-me da provisão do Manual da Igreja de Mary Baker Eddy sobre a descrição de doenças: “O testemunho acerca da cura dos doentes é de grande importância. Ele é mais do que uma simples enumeração de bênçãos, eleva-se ao pináculo do louvor e exemplifica a demonstração do Cristo que “sara todas as tuas enfermidades” (Salmo 103:3). Mas esse testemunho não deverá incluir uma descrição de sintomas ou de sofrimentos, embora se possa mencionar o nome genérico da doença.” (Manual da Igreja, p. 47:13-20). 

Não damos descrições, apenas nomeamos genéricamente uma doença, a fim de evitar levar o pensamento a pensar mais na doença do que em Deus. É como quando alguém lhe diz que tem um tipo específico de ferimento e você se encolhe totalmente. Você não quer fazer isso com outra pessoa. O próprio Jesus não nomeava / diagnosticava essa aflição; na verdade, ele nem mesmo torna isso algo pessoal ao menino. Em vez disso, Jesus lida com o “diabo”, ou adversário, e o expulsa. E então o menino fica bem, completamente curado.

Finalmente, neste exemplo de cura, Jesus repreende seus discípulos por não serem capazes de curar o menino. E não devemos considerar isso levianamente. Em certo sentido, é uma expectativa de que, o que Jesus tenha ensinado aos discípulos, não sejam apenas palavras bonitas, mas sim cura prática. Referir-se aos discípulos como uma “geração incrédula” na verdade significava que eles não tinham o poder de curar porque se esqueceram de que o poder de cura vem exclusivamente da Mente divina (CS19, p. 147).

Aqui está basicamente o que Jesus diz a seus discípulos: “Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei? Trazei-me aqui o menino. E Jesus repreendeu o demônio, e este saiu do menino; e, desde aquela hora, ficou o menino curado” (B14, Mat 17:17,18).

Se somos discípulos (e realmente cada um de vocês é chamado a ser), então deveríamos estar perguntando: de que “foco de vida” Jesus estava falando? E, de certo modo, a citação B15 (Romanos 16:19,20) é uma resposta. É para se concentrar no que Deus criou – as coisas que são boas, espirituais e eternas. Além disso, certifique-se de que você não participa do mal. Apreciei essa citação: “quero que sejais sábios para o bem e símplices para o mal” (B15). 

As passagens desta seção de Ciência e Saúde são uma abordagem prática em seu trabalho de cura, bem como a garantia de sua habilidade dada por Deus para realizar o trabalho de cura com sucesso, e isso inclui “compreensão espiritual, força, iluminação e êxito” (CS23, p. 462).

Para lidar com uma falsa alegação às vezes chamada de serpente, diabo, dragão vermelho (aquelas coisas que dizem que a condição material tem poder e inteligência), podemos ter certeza de que é o Cristo presente, a ideia espiritual, que destrói essa crença. Lembre-se de que Jesus expulsou o diabo e o menino foi curado.

No trabalho de cura:

  1. Expulse todo o mal;
  2. Certifique-se de não confiar em métodos materiais para fazer o trabalho espiritual;
  3. Destrua a crença de que um pensamento humano pode controlar outro para curar. Para um paciente que segue o tratamento de cura espiritual, Mary Baker Eddy aconselha: “elimine de seu pensamento o estímulo errôneo e a reação errônea da força de vontade, e preenchendo seu pensamento com as energias divinas da Verdade” (CS20, p. 185);
  4. Lide com e destrua o medo (CS21, p. 392);
  5. Lembre-se de que a crença mundial é sempre contra a cura espiritual, portanto, lide com a “resistência humana” (CS22, p. 329). Para fazer isso, lembre-se de que, se as pessoas resistem ao seu trabalho de oração, estão partindo de uma premissa falsa. A Verdade sempre superará o erro de pensamento, assim como a luz sempre dissipa as trevas;

 

Seção 5. Não se distraia pelo pensamento baixo e carater egocêntrico. O Amor de Deus te mantém focado e seguro.

Na seção anterior, fomos alertados para extrair e destruir a “força de vontade” assim como o hipnotismo, especialmente quando usados como forma de cura. Afortunadamente, somos assegurados de que é destruído através das “energias divinas da Verdade” (CS20, p. 185). Nesta seção, é o puxar do ego ou vontade humana, que inclui a força da personalidade, que está sendo exposta. Estive pensando sobre a icônica “criança legal” – aquela para quem os outros tendem a gravitar. Isto não é necessariamente algo ruim, a não ser que a popularidade leve os outros para um caminho que não é correto, para longe de Deus, que então seria um pensamento baixo e comportamento baixo. Pense sobre como as seguintes palavras são opostas a ceder a Mente onipotente, onipresente e onisciente: cego, teimoso e precipitado [inconsequente]. Agora considere quão ruins as coisas podem ficar se combinarmos essas qualidades mortais com “apetite e paixão” (CS25, p. 490).

Esta seção realmente me fez pensar não somente sobre como eu poderia resistir a influência do pensamento mortal, mas como eu mesmo poderia estar influenciando os outros de uma maneira sutil. Pensei sobre como reclamações sobre outras pessoas, a igreja, notícias, ou política podem incitar os outros a começar a andar por esse caminho de pensamentos baixos. Tomemos todos uns momentos para avaliar nossas motivações e ações para resistirmos a usar a vontade humana desta maneira.  Uma das minhas orações favoritas de todos os tempos é da citação CS28 (p. 454). Realmente é um tratamento para ambos, evitar incitar paixão e desejo nos outros, assim como um encorajamento instrutivo para ficarmos num caminho de retidão. Ela começa com o incentivo correto e então nos assegura que o Amor é uma ajuda completa. Encoraja os motivos corretos, e encerra com o poder do Amor e da Verdade, o altar pronto para destruir aquilo que não é semelhante a Deus. Segue uma oração: “O amor a Deus e ao homem é o verdadeiro incentivo, tanto para curar como para ensinar. O Amor inspira, ilumina, designa o caminho e nele nos guia. Os motivos corretos dão asas ao pensamento e força e liberdade à palavra e à ação. O amor é sacerdote junto ao altar da Verdade” (CS28, p. 454).

Seção 6. Deus cuida de você e nada pode separar você do Amor de Deus, que está em Cristo Jesus.

Segue uma lista final em seu trabalho para ver o cuidado presente e Amor de Deus por você. (B18, 1Pedro 3:8,9,12,13):

  1. Unidade
  2. Compaixão 
  3. Amor fraterno
  4. Ternura
  5. Humildade

Estas qualidades são ótimas maneiras para mostrar seu amor a Deus. Gostei da tradução do “corrimão a corrimão” da New Living Translation: não retalie com insultos quando as pessoas o insultem. Ao invés, pague de volta com uma benção. E só para esclarecer, me parece que quando trabalhamos contrariamente a Deus, Deus não vai parar de se importar conosco e parar de nos proteger, mas sim que nós mesmos estamos olhando para a direção errada e estamos cegos para o cuidado de Deus” (B18, 1Pedro 3:8,9,12,13, NLT).

Adoro ler a citação B19 de Romanos com as passagens correlativas do Ciência e Saúde da seguinte maneira: Quando você mostra sua fé em Deus, você vê mais claramente que Deus é a causa de todas as coisas trabalhando em conjunto para o bem. Você é chamado por Deus neste momento, mesmo quando as coisas parecem obscuras, assustadoras, frias ou sombrias, Deus está bem aqui levando você adiante, e nada pode separá-lo do amor de Deus (B19, Rom. 8:28; CS29, p. 304; CS30, p. 458).

Conforme as citações finais dessa lição (CS32, p. 569; CS31, p. 450) nos lembram, o objetivo final é abandonar a crença de que exista poder na matéria, numa condição material particular, ou no mal (que é uma reivindicação do magnetismo animal), e ver e sentir a supremacia da Verdade. Tendo maestria sobre as crenças mortais, você verá cura demonstrável, e irá sentir e ver cada vez mais o Amor de Deus!

______________

A equipe de tradução para o português é composta por Ana Steffler, Bianca Pessoa, Ovídio Trentini, Ursula J. Dengler e William Trentini, com revisão geral de Miguel De Castro. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali você encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, podendo baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.

Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.

Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será publicado na 2a. feira no link http://www.cedarscamps.org/metaphysical

American Camp Association

MAIN OFFICE
(November - May)
410 Sovereign Court #8
Ballwin, MO 63011
(636) 394-6162

CAMP OFFICE
(Memorial Day Weekend - October)
19772 Sugar Dr.
Lebanon, MO 65536
(417) 532-6699

Support our mission!

CedarS Camps

Back
to top