Join us for the best summer yet!

CIÊNCIA CRISTÃ – LIÇÃO BÍBLICA

[“Viva a clareza, o discernimento e a confiança na Verdade hoje!”]

“A Verdade”


17 a 23 de janeiro de 2021

Estudo preparado por:

John & Lindsey Biggs, C.S. de Maryland Heights, MO, (EUA)

johnbiggscs@gmail.com   &   biggs.lindsey@gmail.com

+1(541) 418 1176   &   +1(541) 460 3515

__________________________________________________

Abreviações: Bíblia JFA Revista e Atualizada – B; Bíblia na Nova Tradução na Linguagem de Hoje – NTLH; Bíblia A Mensagem – MSG; Ciência e Saúde – CS ou C&S; Lição Bíblica – LB; Acampamento dos Cedros –  CedarS

__________________________________________________

Introdução

A ciência e a lei são uma. Então, a lei de Deus é a verdade e a Verdade é a lei de Deus. E que qualidades isso nos traz? As qualidades da ciência e da Verdade são semelhantes: certeza, compreensão, força, confiança, segurança, coragem, convicção, precisão, imutabilidade, constância, consistência, integridade etc. Essas são excelentes qualidades a se incorporar, e certamente as queremos em nossas orações – nossa compreensão de Deus, e nossa demonstração da Verdade. Elas vêm diretamente da Verdade, Deus. Podemos refleti-las e recorrer a elas a qualquer momento.

Esse é o link para um poster com os sete sinônimos. Ele é uma ótima ferramenta para explorá-los mais profundamente, e pensar acerca dos atributos de cada um deles nessa série de Lições Bíblicas, e como podemos expressá-los. É uma forma de ajudá-los a ganhar vida para nós e de vermos como podem infundir-se em cada aspecto do nosso dia.

 

Texto Áureo

“Eis que te comprazes na verdade no íntimo e no recôndito me fazes conhecer a sabedoria” (Salmos 51:6).

Deus se compraz na Verdade! Como Ele se contentaria com qualquer outra coisa? Deus é a Verdade. Ele quer que conheçamos a Verdade. “… E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32). Isso mostra que a vontade de Deus para nós é a liberdade! “O Ser de Deus é a infinidade, a liberdade, a harmonia e a felicidade ilimitada” (Ciência e Saúde, p. 481:3-4).

É onde vivemos, nos movemos e existimos. E, como somos o reflexo de Deus, refletimos essa infinitude, liberdade, harmonia e felicidade ilimitada. E que tal compreensão infinita? Sim, cada ideia espiritual de Deus possui e reflete compreensão infinita. E felicidade ilimitada? Sim, cada ideia espiritual de Deus reflete e expressa felicidade ilimitada. Isso significa luz, alegria, liberdade! Algo que podemos concordar que todos nós queremos ter!

Deus nos faz conhecer a sabedoria. Deus nos compele a conhecer a sabedoria! E respondemos a essa ordem ao acordarmos para a compreensão espiritual do existir, daquilo que é real e verdadeiro. Deus nos compele a conhecer a sabedoria e nós respondemos – tudo no nosso existir responde à Verdade. Como somos espirituais, respondemos ao Espírito (o semelhante a produzir o semelhante). O efeito é harmonia, saúde, alegria, ação e santidade.

Deus é a causa e o efeito é sabedoria, conhecimento verdadeiro, compreensão, e sim, liberdade! A Verdade conhece a si mesma, conhece sua própria infinidade!

 

Leitura Alternada: expresse sua confiança em Deus. 

A Leitura Alternada é uma declaração direta e firme sobre comprometimento e reconhecimento. Comprometimento a contar com e a confiar em Deus, e reconhecer a natureza de Deus como sempre presente e completamente confiável. Não estamos cegamente colocando nossas vidas e esperanças nas mãos de Deus; estamos admitindo que Deus É Vida. Segue-se que a expressão da Vida jamais será removida DESSA Fonte, dessa Vida. Conforme o Salmista indica nos versículos que estão incluídos na Leitura Alternada, é bom reconhecermos e sermos gratos por todas as expressões que vemos do poder salvador de Deus e Seu amor. Não queremos esconder, ou ‘ocultar a Sua justiça’, mas sim que ela resplandeça! Deus nos ama tanto; faz sentido que reflitamos esse amor em adoração consistente a Ele. E como expressar esse amor? Uma ótima maneira é ser constante em nossa confiança em Deus. Confiamos naqueles que amamos. Essa lição nos dá alguns exemplos e inspirações maravilhosos de como podemos viver nossa confiança em Deus!

 

Seção 1. Há apenas uma luz e uma força em Deus.  

“… tu és o Deus da minha fortaleza” (B1, Salmos 43:2). Deus nos dá força! Força é uma qualidade mental que vem de Deus. Ela infunde coragem, deleite, retidão, gratidão, paz e equilíbrio ao nosso dia. Ela nos dá aquela “equanimidade [que está] tão estabelecida” (Escritos Diversos, p. 224, [tradução livre]) que não pode ser perturbada ou agitada por nada. É expressa em força física, mental e espiritual; um domínio que nunca é perturbado ou desestabilizado e que nos dá poder e força. Força também pode descrever a Rocha que é Deus. Essa Rocha não é escorregadia! É estável e segura. 

A luz do Espírito (inspiração, compreensão) nos guia! Se não é luz ou Verdade então não pode nos guiar e nós não vamos seguir! “Envia a tua luz e a tua verdade, para que me guiem e me levem ao teu santo monte e aos teus tabernáculos” (Salmos 43:3).  Nós queremos APENAS a Luz e a Verdade a nos guiar – isso destrói a névoa e nos permite ver, ouvir e sentir a Verdade nitidamente! Dá-nos clareza espiritual. É difícil ver qualquer coisa no nevoeiro. A Verdade é como a luz do Sol que dissipa a névoa e nos dá visões claras e inspiradas.

“Haja luz” é a exigência perpétua da Verdade…” (CS3, p. 255). O que isso nos mostra? Que a Verdade quer ser conhecida. Luz significa revelação, compreensão, despertar, esclarecimento. A luz revela as formas espirituais da beleza e bondade divinas; revela nossa alma como no Espírito; revela a ideia-Cristo como a identidade de cada um de nós; dá-nos nosso valor e nossa importância. É muito significativo e essencial. Ninguém pode andar por aí no escuro! Somos filhos da luz governados por uma consciência da luz. Então essa exigência perpétua está impondo a si mesma. Está nos habilitando a ver “como no céu, assim também na terra” (Ciência e Saúde, p. 17) a regra e lei perpétuas da harmonia. Ajuda-nos a ver (perceber e compreender) “o reino dos céus na terra – o verdadeiro “…reino da harmonia…” onde “…a Alma é suprema” (veja o Glossário de Ciência e Saúde, p. 590). Então a luz – a compreensão espiritual – é resultado da Verdade. A Verdade se impõe. É a exigência perpétua que podemos cumprir!!

 

Seção 2. Aquiete-se e ouça a Deus, às mensagens da Verdade. 

“O conceito judaico de verdade (aqui traduzido do hebraico ‘emet’) inclui estabilidade, certeza e credibilidade. Comunica tanto a verdade de Deus, conforme essa passagem, quanto a verdade dos homens” (Bible Lens, Christian Science Sentinel – Lentes da Bíblia, na publicação Christian Science Sentinel) (B3, Salmos 85:11-13). 

 “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra” (B5, Salmos 46:10).

A quietude é uma importante qualidade de Deus. É a essência da oração e da nossa comunhão com Deus. Significa ficar quieto e ouvir – realmente ouvir – a mensagem de Deus. Mary Baker Eddy descreve dessa forma: “No silencioso santuário dos desejos fervorosos, temos de negar o pecado e declarar a totalidade de Deus” (Ciência e Saúde, p. 15).

A maioria de nós tem muito burburinho rodando nas nossas cabeças, com todas as coisas que temos para fazer, etc. De acordo com algumas fontes, os humanos têm 70.000 pensamentos por dia! São muitos pensamentos! Mas conhecimento é realmente o que queremos, e é aí que aquietar-se e ouvir a Deus ajuda. Permitimos que Deus comunique o que Deus está ouvindo e sabendo, e isso silencia a vontade humana e seu clamor por atenção.

“O Espírito, Deus, é ouvido quando os sentidos estão calados” (Ciência e Saúde, p. 89). Quando os sentidos estão silentes, o sonho do que quer que possa estar acontecendo é partido, permitindo que nos acalmemos e sintamos a convicção que vem de realmente compreender a Deus, o que leva à demonstração – a experimentar realmente o amor de Deus. Vivenciar tal bênção por nós mesmos nos permite “reconhecer a verdadeira existência e sentir a paz inefável que provém de um amor espiritual que preenche todo o pensamento” (Ciência e Saúde, p. 264).

Diz-se que o Dr. Albert Einstein certa vez afirmou: “Eu quero conhecer os pensamentos de Deus, o resto são meros detalhes”.

Talvez você goste do podcast do John sobre o poder curativo da quietude e a cura que ele teve de um ferimento no tornozelo como resultado. Esse é o link: “The stillness that makes all the difference”.

 

Seção 3. Prossiga com a sua confiança em Deus.  

Se realmente confiamos em Deus, devemos concretizar o que isso significa. Se você confia em alguém, você fala francamente com essa pessoa e segue adiante sem checagem. E aí age de acordo com o que disse que faria. Ana expressou essa confiança, seu amor por Deus, e esse é um exemplo maravilhoso para nós também. 

Alguns anos atrás eu estava trabalhando como praticista da Ciência Cristã para um dos acampamentos de verão. Os campistas, conselheiros e eu estávamos todos participando de um grande evento de construção de equipe, e meu par era um conselheiro que já era um grande amigo meu. A atividade seguinte era uma “caminhada de confiança”, o que nesse caso significava que um de nós estaria de olhos vendados e o outro teria de guiá-lo. Há muitas formas de se fazer essa atividade, pode haver uma regra de não tocar quem está vendado e apenas guiá-lo com sua voz, ou então apenas dar as mãos e não usar a voz, ou o que quer que o líder do grupo decida.

Nesse caso, meu amigo estava me guiando usando apenas sua voz. Olha, eu realmente não gosto de “caminhadas de confiança”. Não sei por que sempre me senti muito desconfortável com a experiência toda. E nesse dia, tentando dar a volta no jardim e numa cabana, eu fiquei bem nervoso. Mas ao caminharmos, uma mensagem angelical curativa veio diretamente a mim: “John, você adora esse amigo. E sabe que ele não o machucará. Você pode agir de uma forma que expresse sinceramente o seu amor e a sua confiança nesse amigo”. Concordei com a mensagem angelical: eu realmente amava meu amigo, e estava muito feliz por passar esse tempo com ele, e percebi que a única forma pela qual eu poderia expressar minha confiança nele seria seguir para onde quer que me guiasse.

Meus passos tomaram a velocidade normal de caminhar (eu estivera andando lentamente porque estava com medo) e ele comentou mais tarde, no seu relato, a diferença que sentiu em mim, e ficou muito feliz ao ouvir a história sobre a mensagem angelical que eu recebi. Desde então, adoro pensar: se eu amo e confio em…….. (nessa pessoa, em Deus), será que estou agindo e pensando de uma forma que fielmente indica esse amor?

Ao andarmos e pensarmos de forma a fielmente demonstrar nosso amor por Deus e nossa confiança na Sua natureza e presença, veremos cada vez mais como Ele nos ama.

 

Seção 4. Seguindo a orientação de Deus.  

 “Quem Senhor, habitará [como hóspede] no teu tabernáculo? Quem há de morar [continuamente] no teu santo monte? O que vive com integridade, e pratica a justiça, e, de coração fala a verdade” (B11, Salmo 15:1,2).

Todos nós queremos ouvir a direção de Deus ao tomar uma decisão importante. Essa passagem de Ciência e Saúde nos assegura que nosso desejo de atender aos motivos corretos e seguir a direção de Deus resultará na fruição de que precisamos.

“Quando esperamos pacientemente em Deus e procuramos a Verdade com retidão, Ele direciona nosso caminho” (CS14, p. 254).

Motivos corretos permitem que nosso pensamento se eleve e eles resultam em fala e ação que têm força e liberdade – como abençoar nossas igrejas, um indivíduo em particular ou nossas orações pela humanidade. Estes são motivos certos que permitem que nosso pensamento se eleve!

“Os motivos corretos dão asas ao pensamento e força e liberdade à palavra e à ação” (Ciência e Saúde, 454).

O hino 553 ilustra um ponto semelhante:

Nosso desejo de atender ao chamado de Deus / Eleva-nos a um novo plano, / Delineado por pura inspiração, / Rendido na linha graciosa do Amor.

Quando nossos próprios planos parecem desmoronar / Incompletos ou mal definidos, / Voltemo-nos para a criação de Deus, / Sempre perfeitamente alinhados.

Com o modelo bem diante de nós, / Deus perfeito e homem perfeito, / Deixe a plenitude de Deus reinar dentro de nós, / Deixe a mente aperfeiçoar nosso plano.

Muito além dos limites da matéria, / Não restringido pelo medo ou pelo tempo, / Todos os nossos planos se desdobram juntos / Na harmonia e rima da Alma

(Christian Science Hymnal, No. 553:1–4)

 

Seção 5. A Verdade é verdadeira para todos.

A história bíblica relatada na citação 15 é difícil de entender. Se apenas a abordarmos como um evento singular, sem qualquer contexto ou referência, é fácil pensar que Jesus estava sendo meio ruim! E é verdade que existem muitas maneiras diferentes de ler nossa Bíblia e em dias diferentes, algo novo pode parecer fresco e curativo para nós. Uma maneira de ler esta história que realmente me ajudou vem do livro “Histórias de Cura” vendido na Sala de Leitura da Ciência Cristã.

Aprendi que, em vez dos comentários de Jesus sobre ser enviado apenas aos judeus, ou sobre o pão e os cachorros para crianças, ser rude e ruim com a mulher, “ele disse em voz alta o que seus discípulos poderiam estar pensando” (Histórias de Cura, p. 97). Fica claro pela narrativa que eles não pensavam muito nessa mulher e em sua filha. Mas sabemos pelo ministério de Jesus ao longo dos Evangelhos que ele estava disposto a ajudar qualquer um que o procurasse! Então, não faz sentido que, neste caso, ele estivesse sendo ruim.

Jesus estava apontando o erro ou pensamento errôneo de exclusão que os discípulos estavam expressando… e a mulher, com grande fidelidade, respondeu de uma maneira que mostrava sua mansidão e vontade de se envolver com o Cristo curador. Jesus deve ter ficado tão feliz ao ouvir sua resposta imediata e ver como ela não recuaria diante do comportamento exclusivo dos discípulos. Jesus sabia que o amor de Deus é para todos, e ele deve ter ficado muito feliz em mostrar isso ainda mais claramente a seus alunos.

Em nossas vidas, acaso somos tentados a pensar que alguém pode não merecer a cura? Ou que eles verão a cura apenas se agirem de uma certa maneira? Se alguma vez nos sentirmos assim, é bom reconhecer ativamente esse pensamento como uma tentação de acreditar que a família e o governo de Deus estão quebrados – que alguns podem ser deixados fora do cuidado de Deus.

Não é nosso trabalho decidir quem merece e quem não merece obter amor, rejuvenescimento e transformação. Certamente não podemos fazer o trabalho dos outros por eles, mas PODEMOS aprender a nos comportar e pensar de maneira acessível e acolhedora para todos – como James colocou em sua carta, para honrar “a sabedoria que do alto vem, [que é] primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, e cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia” (Tiago 3:17). Isso é honrar o fato de que a Verdade é verdadeira para todos, não apenas para alguns.

 

Seção 6. Discernimento espiritual do bem espiritual.

“O dinheiro do tributo representava um dilema para os judeus. De acordo com o código hebraico, eles deveriam evitar imagens (ver Êxodo 20:4; Levítico 26:1; Deuteronômio 4:15–19,23). Mas as moedas necessárias para pagar os impostos tinham a imagem de César. Jesus astutamente evita os esforços dos fariseus para aprisioná-lo, ao mesmo tempo que insinua que meras moedas não têm valor comparado às coisas de Deus. Uma autoridade bíblica interpreta o significado de Jesus desta maneira: “… é possível ser um verdadeiro cidadão do reino e ainda assim se submeter silenciosamente ao governo civil de um potentado estrangeiro” (Bible Lens Research, Christian Science Sentinel).

Eu gosto muito dessa história da Bíblia porque é tão prática! Como cristãos, amamos manter nosso foco no Espírito e em Cristo e viver o evangelho – e ainda assim precisamos pagar nossos impostos, contas, etc. Esse relato nos assegura que ainda podemos ter nossas necessidades diárias atendidas e manter nosso pensamento centrado no Espírito.

Mary Baker Eddy escreve: “Segue-se daí que homens de negócios e homens de grande cultura constatam que a Ciência Cristã lhes aumenta a resistência e os poderes mentais, lhes amplia a percepção do caráter, lhes dá argúcia e compreensão mais abrangente e a habilidade de exceder suas capacidades normais. A mente humana, imbuída dessa compreensão espiritual, torna-se mais elástica, é capaz de maior resistência, desprende-se um tanto de si mesma e requer menos repouso” (Ciência e Saúde, p. 128).

Isto é o que Jesus estava expressando – discernimento espiritual; a capacidade de perceber os corações e os motivos daqueles ao seu redor. Que grande qualidade para as pessoas terem! A Bíblia nos diz: “… porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração” (1Samuel 16:7). Então, é natural que reflitamos essa habilidade também.

Cada um de nós também tem o discernimento espiritual de que necessita. Ciência e Saúde nos diz que é o nosso “sentido espiritual” que nos dá o discernimento do bem espiritual. Ela nos permite perceber a bondade em nós mesmos e nos outros. É a intuição que precisamos para discernir quais motivos queremos seguir e nos salva de fazer transações infrutíferas. Refletimos a capacidade de ouvir o discernimento da Mente divina para nos direcionar em todas as nossas interações com os outros.

Você pode gostar deste belo artigo: “Pães, peixes e… tomate cereja” (link: Loaves, fishes, and…cherry tomatoes) sobre o poder de discernir e confiar no suprimento do Amor divino quando parecia não haver nenhum.

 

Seção 7. A Verdade inclui tudo o que precisamos.

 Nenhum templo separado, nenhum sol separado… tudo o que é necessário já está incluído na própria estrutura desta “Nova Jerusalém”. Quando estamos confiando na Verdade, nos envolvendo com a Verdade, não chamamos o atendimento ao cliente, esperando que algum anjo venha eventualmente e nos ajude um pouco. Quando estamos em um estado de confiança ativa e amorosa na natureza e na presença da Verdade, estamos admitindo que tudo o que precisamos está aqui. A expressão não é privada de um só aspecto do Expressador; o efeito participa inteiramente da Causa.

Essa ideia de permanecer inteiramente dentro da totalidade da presença de Deus me lembra que a oração não é uma tarefa onerosa, ou algo que precisamos verificar em nossa agenda do dia, ou uma maneira de conseguir o que queremos. Mary Baker Eddy dá esta bela descrição do que a oração realmente é:

“A verdadeira oração não é pedir amor a Deus; é aprender a amar e incluir toda a humanidade em uma afeição. A oração é a utilização do amor com que Ele nos ama. A oração gera um desejo de ser e fazer o bem. Faz novas e científicas descobertas de Deus, de Sua bondade e poder. Mostra-nos mais claramente do que vimos antes, o que já temos e somos; e acima de tudo, mostra-nos o que Deus é. Avançando nessa luz, nós a refletimos; e esta luz revela as imagens puras da Mente, em oração silenciosa, assim como a fotografia capta a luz solar para retratar a face do pensamento agradável” (Não e Sim, p. 39).

A oração é amor vivo. Quão natural, então, essa permanência na Nova Jerusalém – espiritualmente definida no Glossário como “A Ciência divina; os fatos espirituais e a harmonia do universo; o reino dos céus, o reino da harmonia” (Ciência e Saúde, p. 592), nos levaria a uma vida de amor vivido. De fato, a citação final desta Lição, CS32, afirma que esta Verdade, este fato perfeito de ser, ESTÁ aqui! E nós só precisamos vivê-la.

Tome nota especial nesta semana de todas as oportunidades de realmente viver a confiança que você tem em Deus. Aproveite a presença da Verdade. Quando você se sentir confuso, assustado, magoado, não tente se convencer disso; apoie-se naquilo em que você confia, a divindade da Verdade que é confiável, curativa e completa. Viva a verdade. A verdade é que você é livre! Como é maravilhoso saber que a Verdade divina nunca te perdeu, e sempre sabe e define tudo sobre ela. Você é muito amado, e essa é a verdade!

Aproveite todas as oportunidades desta semana para viver esse amor por si mesmo e também para mostrar aos outros essa maravilhosa verdade.

_____________

 

A equipe de tradução para o português é composta por Martha Henriques, Laura Soriano Yawanawa, Ovídio Trentini, formatação de Ana Paula Steffler e revisão geral de Miguel De Castro. Visite o site Associação dos Alunos de Ciência Cristã do Professor Orlando Trentini, CSB. Ali você encontrará esta tradução e as anteriores para estudo, podendo baixar e partilhar esse copo de água fresca com seus amigos.

Os estudos metafísicos dos Cedros sobre o estudo diário da Lição Bíblica da Ciência Cristã, contendo ideias de aplicação metafísica, são oferecidos, durante todo o ano, para que os amigos da Ciência Cristã vejam e demonstrem o grande valor do estudo diário da LB.

Os Cedros são um suplemento para a LB. O estudo em inglês será publicado na 2a. feira no link https://cedarscamps.org/inspiration/

 

 

American Camp Association

MAIN OFFICE
(November - May)
410 Sovereign Court #8
Ballwin, MO 63011
(636) 394-6162

CAMP OFFICE
(Memorial Day Weekend - October)
19772 Sugar Dr.
Lebanon, MO 65536
(417) 532-6699

Support our mission!

CedarS Camps

Back
to top